Sistema importado resfria o couro cabeludo durante a quimioterapia e diminui a alopecia relacionada ao tratamento

As estatísticas do câncer são assustadoras: 9 milhões de pessoas morrem de câncer no mundo anualmente, segundo relatório do GLOBOCAN (um projeto da Agência Internacional para Pesquisa do Câncer no mundo – IARC).

No Brasil são 600 mil pessoas diagnosticadas ao ano, segundo dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer).

Enfrentar o câncer é um grande desafio, e que pode ser ainda mais difícil quando pacientes apresentam quadros de baixa autoestima e depressão. Estudos revelam que a queda do cabelo durante o tratamento, um dos efeitos colaterais mais traumatizantes da quimioterapia, incide diretamente nas taxas de desistência e afeta principalmente as mulheres. Para evitar este quadro, hospitais e clínicas de oncologia de todo o país adotaram uma tecnologia única, que atua de maneira uniforme no couro cabeludo por meio do sistema de resfriamento de um líquido circulante: a touca inglesa.

O sistema foi criado no Reino Unido pela empresa Paxman, pioneira no mundo, é o único no Brasil com aprovação da FDA (agência que regula os medicamentos nos Estados Unidos) e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), proporcionando segurança ao paciente e eficácia do tratamento de maneira cientificamente comprovada. Mais de 100 mil pessoas em 64 países já utilizaram o sistema paxman desde que foi criado em 1997.

No Brasil não temos estatísticas robustas, mas sem dúvida reduziu um dos grandes traumas do tratamento quimioterápico.

A queda de cabelo causa danos que vão muito além do aspecto visual dos pacientes. As consequências são graves e estão ligadas diretamente a problemas de autoestima, depressão e, em alguns casos, até desistência do tratamento. Pacientes krelatam que com isto, as pessoas não os identificam como alguém doente.

As mulheres têm uma relação ímpar com o cabelo e lidam bem com outros efeitos colaterais do tratamento quimioterápico, como náuseas. A queda de cabelo é realmente algo com um grande impacto para mulher, principalmente psicológico. A possibilidade de prevenir ou minimizar este efeito do tratamento traz uma mudança impactante para o paciente e a maneira como enfrentará a doença.

Como funciona a crioterapia

A touca inglesa (parece um capacete) é colocada cerca de 30 minutos antes e não pode ser retirada até uma hora e meia depois da infusão das drogas. O sistema especial resfria o couro cabeludo do paciente a uma temperatura entre 18ºC e 22ºC, o que permite a menor absorção dos fármacos nessa região. O procedimento completo permite que o couro cabeludo fique estavelmente resfriado, graças à circulação do líquido gelado, o que causa diminuição do fluxo sanguíneo nos folículos capilares e evita ou reduz a perda de fios.

A tecnologia de resfriamento do couro cabeludo vem sendo desenvolvida há décadas, e curiosamente já utilizou até mesmo melancias na cabeça de pacientes, nos primórdios dos estudos. O sistema de touca inglesa é o que há de mais moderno e o único com eficácia comprovada por dezenas de estudos realizados pela empresa britânica ao lngo de mais de 20 anos. Em até 50% dos casos os pacientes tratados relataram a diminuição da alopecia a ponto de não precisar usar lenço ou peruca.

A utilização da touca inglesa é um diferencial durante a quimioterapia. Inibindo a absorção das drogas na região do couro cabeludo, o resfriamento não é indicado para os tipos de câncer hematológicos ou para alguma alergia ao frio.

Caminhando junto com os avanços mundiais, a Clínica OncoLog disponibiliza hoje este tratamento aos seus pacientes.